quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

tantos dias de vida-reza

(à minha avó)

esses olhos verdes mergulhados
em lacrimejos não descidos,
brilho espesso, esmeralda cozida

coseu sua vida com as
linhas contas dos terços
dos peços e agradeços
dos tem misericórdias
e dos eu mereços

com sua fé
garante meu bem:
pedindo a Ele
que me abençoe
guarde e proteja
e eu, de amor,
amém

8 comentários:

  1. Oláá!
    Encontrei seu blog por acaso.. fantástico!
    Muito lindo seus versos, parabéns!
    Bela homenagem a sua avó.. =)
    Eu também escrevo, passa no meu blog e vê o que você acha. Te aguardo. E continue com os bons versos.
    Abraços

    http://kamila-poesia.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. belíssima homenagem à sua avó, acho que todos os dias são dias delas, seres tão especiais que nos guardam ou guardaram.

    muito bom, continue, dona letícia f.

    ResponderExcluir
  3. É Poeta... que bom que você apareceu lá na comunidade da Letras. Sempre que um lugar aconchegante assim acontece eu me sinto melhor, dá alegria e a gente percebe que pode compartilhar sensibilidades e coisas que doem, por mais que doam. Querendo, apareça também no meu lugar (http://www.gestosimples.blogspot.com/) e se aconchegue!

    Até mais!

    Mahatma.

    ResponderExcluir
  4. Que lindo! Não me canso de ler o que vc escreve. São ótimos!

    ResponderExcluir
  5. Letícia, está sendo um grande prazer conhecer a sua poesia em versos tão cheios de vida.
    Parabéns por bela homenagem à sua avó.

    ResponderExcluir
  6. Não sei se foi porque você colocou lá (à minha avó), mas REALmente me remeteu a minha avó, perfeitamente, exceto pelos olhos verdes, que no meu caso são meio acinzentados.

    ResponderExcluir